Blog

Home

Blog

Aparelho auditivo exige adaptação: entenda como evoluir no dia a dia em 8 passos

Voltar

Aparelho auditivo exige adaptação: entenda como evoluir no dia a dia em 8 passos

Não importa se você tem perda auditiva leve ou surdez total: a adaptação ao aparelho auditivo é um processo que exige paciência, orientação e força de vontade para que os resultados sejam alcançados.


Antes, você tinha problemas de audição. Agora, alguns sons parecem muito mais altos que o normal, e causam aflição. Ao mesmo tempo, sua voz soa diferente, e você não consegue entender a origem de alguns sons. Para piorar, ambientes ruidosos te deixam completamente perdido.


Soa familiar?


Se o processo de adaptação ao aparelho auditivo não for personalizado e orientado por profissionais especializados, as chances de que você consiga se adaptar são reduzidas. Como sabemos, não é o ouvido que ouve: é o cérebro que processa as informações que são captadas pelo ouvido.


Por isso, a recuperação auditiva não é como colocar um fone de ouvido, ou simplesmente acionar um botão que liga e desliga. É necessário reaprender a ouvir. E isso, como você deve imaginar, não é algo que ocorre do dia para a noite.


Além do processo de seleção e escolha da prótese auditiva com as características que atendam exatamente às necessidades de quem está com perda auditiva, há uma fase crucial de adaptação para que a audição volte de forma gradativa.


A seguir, você confere algumas dicas que podem facilitar esse processo de adaptação à prótese auditiva. 

8 passos para melhorar a adaptação à prótese auditiva
Você identificou o problema, procurou acompanhamento de um profissional, investiu em um aparelho auditivo, e agora chegou o momento de se adaptar à prótese. Confiamos que essas dicas vão lhe ajudar a se adaptar ao aparelho auditivo:

1. Leve o tempo que for necessário
Você já parou para pensar como o seu cérebro aprendeu a filtrar ruídos que são irrelevantes? Dois exemplos são o som das folhas ao vento e das teclas se movimentando no escritório. Com o aparelho, esses sons vão soar diferentes, e será necessário “treinar” o cérebro para que ele compreenda as diferenças e volte a executar o filtro que era feito antes.


Esse processo leva tempo, e pode ser extenuante no início, com diversos incômodos gerados pelos ruídos. É por isso que a primeira dica está relacionada à paciência: não existe um tempo ideal de adaptação, porque cada caso é um caso. Leve o seu tempo — o tempo que for necessário. 

2. Não desista diante dos primeiros problemas
Os problemas de adaptação vão ocorrer, e você precisa estar preparado para lidar com eles. Você vai ficar incomodado em alguns momentos e vai sentir irritação em outras oportunidades.


Mas você não pode desistir do aparelho, porque é justamente o uso regular que permite uma adaptação gradativa à prótese. Você precisa se familiarizar com o uso, fazendo pequenos ajustes e experimentando as diferenças. Só assim vai se habituar ao uso.

3. Diminua o volume para atenuar o desconforto auditivo
Um dos problemas mais recorrentes na fase de adaptação ao aparelho auditivo tem a ver com o desconforto auditivo causado por sons mais fortes. Uma das maneiras de contornar esse efeito é diminuir o volume do aparelho, ou alterar o ganho do aparelho. Dessa forma, você não fica tão incomodado nesses primeiros dias com a prótese. 

4. Adapte o molde para evitar o efeito de oclusão
Outro problema bastante frequente está associado ao efeito de oclusão, que ocorre quando algo tampa o canal auditivo. Se você colocar o dedo no ouvido, vai notar que a própria voz adquire um tom de eco. Para minimizar esse problema, há algumas alternativas, como manter o conduto o mais aberto possível, reduzir o ganho em frequências baixas e adaptar o molde para posicioná-lo o mais profundo possível, desde que não cause desconforto. 

5. Comece utilizando o aparelho em casa
O primeiro lugar em que você deve testar o seu aparelho é dentro de casa, em um ambiente com poucos ruídos. Assim, você vai conseguir identificar os ruídos de maneira mais precisa, sem incomodações externas.


Para conversar nesses primeiros dias, é recomendável começar por conversas individuais. Assim, você diminui as distrações e consegue treinar o cérebro para focar na única fonte de som. 

6. Evolua de forma gradativa
Você não precisa ter pressa para usar o aparelho, mas vai notar que a evolução se dará de forma gradativa. Comece usando durante algumas horas, e vá avançando gradualmente, até conseguir usar da manhã até a noite. 


Outra dica para acompanhar a sua evolução é registrar todos os problemas que ocorrem em um bloco de notas ou um diário. Assim, você consegue identificar na prática que está melhorando. Além disso, o diário servirá como uma ótima ferramenta de estudo para o profissional que lhe acompanha nesse processo. 

7. Treine a sua audição
Gradativamente, é recomendado que você vá utilizando o aparelho em ambientes diferentes, para treinar a sua audição. Depois de usar dentro de casa, converse com alguma pessoa da sua confiança. Quando superar essa fase, dê atenção ao rádio e à TV, preferindo programas de notícia, com menos ruído. Depois, use o aparelho em um parque, em meio à natureza, para ouvir o barulho das folhas e o canto dos pássaros.

8. Deixe os ambientes ruidosos para o fim
Ambientes movimentados, restaurantes e eventos devem ficar para o final na sua lista de uso do aparelho, porque são os locais em que você terá mais dificuldade para entender a origem dos sons e se comunicar de forma clara. Só utilize o aparelho nesses ambientes na fase final de adaptação.


E aí, gostou das dicas? Esperamos que o conteúdo tenha sido positivo e possa ajudá-lo nesta fase de recuperação da audição. Ficamos à disposição para ajudá-lo no que for possível!


Esse texto te lembrou alguém? Deixe seu comentário

Distribuidores

Cidades onde você encontra o serviço de indicação e adaptação de próteses auditivas sob responsabilidade técnica da OuveBem.

Dra. Fga. Sonia Bortholuzzi

Dra. Fga. Paula Marchetti

Fga. Ana Maria Beck

Endereço: Rua Padre Chagas, nº 80.
Bairro Moinhos de Vento.
Fone: (51) 3312-5454
Whatsapp: (55) 999218285

Dra. Fga. Sonia Bortholuzzi

Dra. Fga. Paula Marchetti

Endereço: Rua José Bonifácio, 2401
Cep: 97015-440
Fone: (55) 3221-8490
Whatsapp: (55) 996030479

Fga. Renata Dal Piaz

Endereço: Av. Porto Alegre, 287 D Sala 01
Cep: 89801-130
Fone: (49) 3322-3341

Dra. Fga. Sonia Bortholuzzi

Endereço: Rua Geraldo Pereira, 300, sala 3
Bairro Alto da Bronze
Fone: (51) 3720-2374
Fone: (51) 99734-9928

Fga. Ana Maria Beck

Endereço: Av. Doutor Mauricio Cardoso, 738
Bairro Jardim Maua
Fone: (51) 3279-9099
Fone: (51) 99406-6185

Dra. Fga. Sonia Bortholuzzi

Dra. Fga. Paula Marchetti

Endereço: Rua Venâncio Aires, 35 sala 21
Cep: 98700-000
Fone: (55) 3332-7180

Dra. Fga. Sonia Bortholuzzi

Dra. Fga. Paula Marchetti

Endereço: Rua Capitão Porfírio, 1818
Cep: 95780-000
Fone: (51) 3632-1700

Fga. Alexandra Lewckowicz

Endereço: Rua Alexandre Sandrini, 101 sala 302
Cep: 88870-000
Fone: (48) 3658-2552

Fga. Eliana Farias

Dra. Fga Paula Marchetti

Endereço: Rua Padre Anchieta 4075, Bairro Três Vendas
Cep: 96015-420
Fone: (53) 3222-5528

Fga. Simone Nascimento Brum

Endereço: Rua General Canabarro, 1003, sala 104
Cep: 97700-000
Fone: (55) 3251-4778

Dra. Fga. Sonia Bortholuzzi

Dra. Fga. Paula Marchetti

Endereço: Av. Rio Grande do Sul, 1067
Cep: 98801-029
Fone: (55) 3313-5060

Fga. Carmen Balbé

Endereço: Rua Félix Da Cunha, 90, sala 105
Cep: 97670-000
Fone: (55) 3431-4262

Fga. Luciele Prates

Endereço: Rua Demétrio Ribeiro, 802
Cep: 97542-200
Fone: (55) 3422-8359

Fga. Ana Maria Beck

Endereço: Av. General Osório, 390
Bairro Centro
Fone: (51) 3626-4271
Cel: (51) 98544-4271